Policiais militares fazem curso para pilotar drones no Triângulo Mineiro

Objetivo é auxiliar nas ações de policiamento e de melhorias da segurança pública.

345

Para auxiliar no policiamento e melhorar a segurança pública, 26 policiais militares da 9ª Região de Polícia Militar (RPM) estão participando do curso RPA Drone (Remotly Piloted Aircraft). O comando da 9ª RPM é sediado em Uberlândia e responsável por 18 cidades do Triângulo Mineiro.

A intenção credenciar esses militares na operação de aeronaves não tripuladas para auxiliar nas ações da PM dentro dos critérios estabelecidos pelas agências reguladoras.

O curso teve início nesta terça-feira (7) e terá quatro dias de duração. A qualificação conta com disciplinas práticas e teóricas, dentre elas segurança de voos, avaliação de risco operacional e efeitos da meteorologia sobre pequenos drones.

Continua depois da publicidade

Para auxiliar no policiamento e melhorar a segurança pública, 26 policiais militares da 9ª Região de Polícia Militar (RPM) estão participando do curso RPA Drone (Remotly Piloted Aircraft). O comando da 9ª RPM é sediado em Uberlândia e responsável por 18 cidades do Triângulo Mineiro.

A intenção credenciar esses militares na operação de aeronaves não tripuladas para auxiliar nas ações da PM dentro dos critérios estabelecidos pelas agências reguladoras.

O curso teve início nesta terça-feira (7) e terá quatro dias de duração. A qualificação conta com disciplinas práticas e teóricas, dentre elas segurança de voos, avaliação de risco operacional e efeitos da meteorologia sobre pequenos drones.

Segundo a PM, com a utilização desta nova tecnologia, a instituição passa a potencializar diversas ações de segurança pública, como a localização de pessoas e materiais desaparecidos; reconhecimento e registro de imagens em áreas de difícil acesso; utilização do equipamento visando estimativa de público bem como tamanho da área em eventos populares; reconhecimento de locais possivelmente ocupados por autores de crimes; levantamentos de áreas objeto de operações policiais programadas; e monitoramento de trânsito rodoviário, urbano e ambiental.

Segundo a PM, com a utilização desta nova tecnologia, a instituição passa a potencializar diversas ações de segurança pública, como a localização de pessoas e materiais desaparecidos; reconhecimento e registro de imagens em áreas de difícil acesso; utilização do equipamento visando estimativa de público bem como tamanho da área em eventos populares; reconhecimento de locais possivelmente ocupados por autores de crimes; levantamentos de áreas objeto de operações policiais programadas; e monitoramento de trânsito rodoviário, urbano e ambiental.

Comente essa notícia

Utilize o seu facebook, para comentar