O Governo de Minas Gerais liberou R$ 17 milhões para Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) de 32 cidades que têm registrado alto número de casos de dengue. O estado enfrenta uma epidemia da doença. Vinte e cinco pessoas morreram de dengue no estado neste ano.

A verba foi anunciada pelo secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, na sexta-feira (3). O dinheiro é retirado do Fundo Estadual de Saúde e é repassado aos municípios através da secretaria.

Veja a lista dos municípios

Abaeté – Aragruari – Belo Horizonte – Betim – Brumadinho – Campo Belo – Carmo do Paranaíba – Conceição das Alagoas – Contagem – Divinópolis – Formiga – Francisco Sá – Ibirité – Igarapé –

Itabirito – Lagoa da Prata – Mateus Leme – Nova Lima – Nova Serrana – Pará de Minas – Patos de Minas – Ribeirão das Neves – Sabará – Salinas – Santa Luzia – Santo Antônio do Monte – São Joaquim de Bicas – Sarzedo – Sete Lagoas – Uberaba – Uberlândia – Vespasiano

Em duas datas de abril, dos dias 2 e 26, o governo já tinha liberado outros R$ 8,3 milhões destinados a mais de 200 municípios.

Situação de emergência

O governador Romeu Zema (Novo) decretou situação de emergência em saúde pública em parte do estado como medida para conter o avanço da dengue. O ato, que foi publicado no Diário Oficial de Minas Gerais, abrange o Centro, Noroeste, Norte, Oeste e Triângulo Mineiro.

Nesta terça-feira (7), a secretaria de Saúde informou que são 209.276 casos prováveis da doença, um aumento de mais de 43 mil registros em uma semana.

Em relação à chikungunya, Minas Gerais registrou 1.587 casos prováveis da doença em 2019. Até o momento, não houve registro de óbitos suspeitos da doença.

Já em relação à zika, foram registrados 650 casos prováveis da doença em 2019, até o dia 6 de maio.

A secretaria disse que um registro maior de casos é esperado para este período (meses quentes e chuvosos) devido à sazonalidade da doença. Dessa forma, o estado está em situação de alerta para esse aumento no número de casos das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, chikungunya e zika).

Comente essa notícia

Utilize o seu facebook, para comentar