Meu Kantinho

314

-“Uai, o sr. não foi à Reunião da Câmara ontem? Foi bastante agitada por conta da Triibuna Livre”. Foi a pergunta que me fizeram hoje.

Realmente não fui. Não fui por vários fatores: O primeiro e único é que contra força não há resistência e o povo ou os presentes a elas ficam impotentes ante indiferença de 10 vereadores, ou agora são 9, não sei mesmo porque tanta polêmica a respeito desse assunto que não sei se já ocuparam ou não a vaga. Se ocupada poderão novamente serem 10 ou 9 contra a população e a favor de seus interesses. E aí, podem até me perguntarem: “Você prova isso?”. E aí respondo com outra pergunta: Não não provo mas o que você acha? É certo o que já foi feito, o que está sendo feito e o que poderão ainda fazerem como os legisladores do município contrariando todos os preceitos de seus deveres? Se você acha que não, está respondida sua pergunta. Tudo leva a crer que os interesses próprios sobrepõem aos interesses coletivos e de acertos. Eu, não posso provar, mas todos supõem estar sendo assim. “A acusação é sempre um infortúnio enquanto não é verificada pela prova”.

Então eu vou lá, para ver e ouvir o quê? As cobranças de sempre com as justificativas costumeiras; as reivindicações seguidas de explicações certas ou não; aceitas ou não; factiveis ou não. E se eu tivesse ido teria ouvido o que ouviram aqueles que foram – o não direito de reclamar?

Não! Preferi não ir para não mais me desgastar do que já desgastei. As pessoas, coitadas, de boa vontade (nem todas) que usam a Tribuna Livre nem sempre são felizes em suas exposições, tendo sempre as mesmas considerações: “agradecemos a sua presença; parabenizamos pela sua coragem” e coisas assim. Raramente se ouve: “Vamos providenciar”!

Então, já sabendo de cor o que vai haver, porque mudam os assuntos, a data, as pessoas, e só! Ações positivas, como o cumprimento leal de deveres e funções, são esporádicos e por isso não fui. Em próximas talvez.

Comente essa notícia

Utilize o seu facebook, para comentar