O dia em que as FARC invadiram o Brasil!!!

Um pouco de história que os jornais televisivos não mostraram

998

Operação Traíra!!!

Em 26 de fevereiro de 1991, um grupo de 50 guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, que se auto denominava “Comando Simon Bolivar”, invadiu o território brasileiro, na fronteira entre Brasil e Colômbia, nas margens do Rio Traíra no Estado do Amazonas, e atacaram de surpresa o Destacamento Traíra do Exército Brasileiro, que estava em instalações semi–permanentes e possuía efetivo muito inferior a covarde ofensiva guerrilheira. A inteligência do Ministério da Defesa, afirmou que o ataque teve como o principal vetor, a repressão exercida pelo destacamento de fronteira dos militares brasileiros ao garimpo ilegal na região. Todos os atos de garimpeiros ilegais eram financiamento das FARC. Nesse ataque cruel e covarde, morreram três militares brasileiros e vinte e nove ficaram feridos; várias armas, munições e equipamentos foram roubados.

Início da Operação Traíra:

Imediatamente as Forças Armadas do Brasil, autorizadas pelo presidente Fernando Collor de Mello e com o conhecimento e apoio do Presidente colombiano César Gaviria Trujillo, deflagraram secretamente a Operação Traíra, com o objetivo de recuperar o armamento roubado e desencorajar novos ataques. Por final, apenas o Exército Brasileiro atuou no território colombiano, dizimando as forças rebeldes colombianas e conquistando parte do território colombiano por um dia inteiro.

Força Aérea Brasileira:

A Força Aérea Brasileira apoiou a Operação Traíra, com 8 helicópteros de transporte de tropas H-1H, 12 aeronaves de ataque ao solo AT-27 Tucano e aviões de apoio logístico C-130 Hércules e C-115 Búfalo. Também as forças especiais PARA-SAR atuaram junto com o Exército Brasileiro.

Marinha do Brasil:
A Marinha do Brasil apoiou a Operação Traíra com um Navio Patrulha Fluvial, que ficou baseado em Vila Bittencourt, cooperando com o apoio logístico e garantindo a segurança daquela região.

Exército Brasileiro:

O Exército Brasileiro enviou suas principais tropas de elite: Caçadores Especiais da Força de Ação Rápida e combatentes da Brigada Paraquedista. (Cerca de 150 soldados ao total)
Forças Especiais do Exército Brasileiro e Força Aérea: Brigada de Forças Especiais – Exército Brasileiro e PARA-SAR – Força Aérea Brasileira. (Somando cerca de 100 combatentes)

COMANDOS – Mais de 100 homens
100 Guerreiros do CIGS integrados ao 1º Batalhão Especial de Fronteira, junto com o 1º Batalhão de Infantaria de Selva.

Aeronaves e funções:

6 Helicópteros HM-1 Pantera: Tinha a principal função de invadir o território colombiano, sem aparecer nos radares da Força Aérea Colombiana, já que o governo brasileiro quebrou a promessa de não utilizar aeronaves de combates. Cada uma dessa aeronave, era responsável em carregar combatentes caçadores das forças especiais, para se infiltrar no território inimigo para se obter dados estratégicos, análises cartográficas e cálculos de invasão. (UMA DAS PRINCIPAIS LEIS DE SUN TZU: RECONHECIMENTO DE TERRENO INIMIGO ANTES DE UMA INVASÃO). Após 15 hrs, as mesmas aeronaves soltaram os guerreiros das forças especiais e da Força de Ação Rápida, que iniciaram a invasão após 2 hrs.

HA-1 Esquilo: Trabalhou junto com o HM-1 Pantera para dar apoio de fogo, que em seguida, transportou rapidamente os integrantes dos COMANDOS para o local da invasão. Como tática de intimidação, também deu cobertura aos nossos guerreiros de selva que estavam de prontidão nas margens do rio a 1 km da base, que em seguida, foram os principais responsáveis por invadir e conquistar a principal base da FARC.

NOTA: AS AERONAVES HM-1 PANTERA E HA-1 ESQUILO NÃO PODEM SER PERCEBIDAS NA MAIORIA DOS RADARES, POIS POSSUEM UMA BAIXA ASSINATURA RCS (Radar cross section) QUE INDICA PEQUENA CAPTURA DE ONDAS ELETROMAGNÉTICAS QUE SE FOREM BAIXAS, NÃO PODEM SER IDENTIFICADAS NA TELA. ESSA É A MAIS USADA TECNOLOGIA PARA AVIÃO FURTIVO OU TECNOLOGIA STEALTH. ATUALMENTE É MUITO USADO PELO BRASIL.

Exército Colombiano:

O Exército Colombiano nada fez, só fizeram um bloqueio extremamente distante da operação feita pelo Exército Brasileiro. A única coisa de interessante, é que o presidente da Colombia apoiou a operação e mesmo assim, não moveu um soldado para atacar a base da FARC. Em resumo, eles só bloquearam a rota de fuga, mantendo uma distância dos guerreiros brasileiros… A rota que eles bloquearam, é estrategicamente posicionada para proteger uma das bases norte-americanas. Por exemplo, A distância da base da FARC, era de 90 km, sendo que mais 55 km a frente após um rio, havia uma estrada de barro que ligava a base norte-americana. Ou seja, quem limpou toda a sujeira, quem enfraqueceu a FARC, FOI O EXÉRCITO BRASILEIRO!
Segundo a nota dada pelos militares colombianos, o bloqueio foi feito a pedido do seu próprio presidente, para não prejudicar a logística dos militares norte-americanos. Segundo o arquivo, a operação feita pelo Brasil, foi muito criticada pelo governo colombiano e americano. Apesar que recebia apoio do próprio presidente. De acordo com a mesma notificação, os americanos temiam que os brasileiros invadissem sua base, pois o Sistema Nacional de Informação do Brasil (hoje ABIN), tinha dados exatos que muitos guerrilheiros colombianos se abrigavam nas proximidades da base de militar do Tio Sam

Comente essa notícia

Utilize o seu facebook, para comentar