Quo Vadis?

437

Hoje, já bem de manhã, estava me aprontando para sair quando me perguntaram, “Para onde vai?”. Com isso me lembrei, da expressão em latim, “Quo Vadis?”, ou seja “Para onde vais?”. E eu respondi com entusiasmo: “-Vou prestar minhas homenagens à pessoa mais importante do mundo: A Mulher!”
Todos nós devemos prestar-lhes homenagens, pois ao contrário da pergunta acima, devíamos nos perguntar: “De onde viemos?”. E a resposta seria: Da mulher!
Deus, quando fez a mulher, Ele estaria empolgado de grandeza, pois ao fazê-la caprichou em sua alma e em sua beleza, juntando ainda, à muitas, a beleza mais bela que é a beleza espiritual.
A mulher é uma fonte de atração. Ela é vista como bela, como expressão de amor e para alguns, de cobiça, tamanha é sua atração, mas é, sem dúvida alguma, na alma que está toda a sua beleza.
Com tudo isso, a mulher mãe, a mulher executiva, a mulher operária, a mulher empresária, a mulher profissional liberal, ou a mulher dona de casa, todas elas, independente de credo ou cor, merecem nosso respeito, admiração e nossas homenagens. Não só pela sua beleza, não só pela sua profissão mas pelo todo que ela representa em nossa vida, pela educação aos filhos, pela sua maturidade e aos cuidados da casa e da família. À mulher, portanto, nossa veneração!

Apesar de tudo isso, nem sempre é valorizada, ou por discriminação, ou por preconceito e outras abusadas, violentadas apesar de haver leis punitivas, nem sempre aplicadas, porque a mulher, a maioria delas, mesmo agredidas ela pondera e não agride seu agressor com denúncia. E se assim procede, é as vezes, por compreensão do estado de humor de quem a agride, e às vezes se omite nisso, por medo, por ainda se julgar em sua bondade de alma, subornidada, submissa e frágil, ante aqueles que se denominam homens, e que por sua crueldade animalesca deveriam ser chamados de bestas-feras.
O homem que é verdadeiramente homem, vê a mulher como uma deusa de seu lar, magnífica como mãe e sensual como mulher, e, por isso a venera, a respeita e está sempre disponível aos seus gostos, às suas ordens pois é delas que multiplicadora que é, gera populações.
Enfim, a mulher é a coluna que dá sustentabilidade ao homem. É na mulher que homem encontra acolhida, descanso, conselhos e ânimo. É a mulher chamada de mãe, de esposa, de fortaleza do lar e nas atividades que exerce junta à sociedade.
“A sociedade, lucraria muitíssimo, se deixasse a mulher ter seu direito pleno de viver. De ser dona do próprio corpo, das suas próprias idéias, e poder participar do destino da sociedade, enquanto ser livre, não enquanto capacho de idéias obtusas criadas pelo seu opressor, o homem. Não existe mundo livre, sem uma mulher livre”. (Jardel Dias Cavalcanti).
Portanto, minhas amigas, eu que sou homem, reparo e admiro as mulheres. Fui gerado no ventre de uma, portanto lhes devo a vida e, consequentemente imenso respeito e admiração.
Que esse 8 de março, seja para, para você, Thereza, minha esposa e amparo, e para todas vocês mulheres, UM LINDO DIA E PARABÉNS!

Comente essa notícia

Utilize o seu facebook, para comentar