Polícia do Paraguai mata integrante do PCC que estava foragido

Ele fugiu ao lado de Thiago Ximenes, conhecido como Matrix, também procurado no Paraguai

320

A polícia do Paraguai matou Reinaldo de Araújo, considerado um dos líderes do grupo criminoso Primeiro Comando da Capital (PCC), durante troca de tiros em Villa Ygatymi, departamento de Canindeyu. A região fica na fronteira do Paraguai com o Brasil.

Araújo estava foragido desde que escapou no ano passado da prisão, em Assunção, capital paraguaia, e estava sob supervisão do Grupo Especializado. Ele fugiu ao lado de Thiago Ximenes, conhecido como Matrix, também procurado no Paraguai.

Em comunicado à imprensa, o ministro do Interior do Paraguai, Juan Ernesto Villamayor, parabenizou o trabalho da polícia.

“A polícia fez um trabalho estupendo de acompanhamento e procura”, disse. “Houve um confronto armado em que um deles foi morto e o outro está foragido e é procurado.”

Para o ministro, a captura de Thiago Ximenes é “questão de horas”.

No início da tarde de ontem, o ministro aguardava mais informações sobre a operação. O local fica a 50 km da cidade brasileira de Paranhos, no outro lado da fronteira. Nessa região, os pontos de passagem pela fronteira são monitorados por câmeras pela polícia de Mato Grosso do Sul.

Desde a fuga da prisão, ‘Matrix’ e Araújo passaram a encabeçar a lista de criminosos procurados pela polícia paraguaia. Araújo foi condenado a 25 anos de reclusão pelo assassinato de sua companheira quando era peão de uma fazenda. Na prisão paraguaia, ele se envolveu com o PCC e esfaqueou um policial durante uma revista à cela. Ele teria ajudado ‘Matrix’ a planejar a fuga de ambos.

Na época, os dois presos teriam saído da prisão, considerada uma das mais seguras do Paraguai, pela porta da frente, o que levou o vice-ministro de Segurança, Hugo Sosa, a colocar a penitenciária sob intervenção e deter integrantes do comando. Após as investigações, o Ministério Público apontou os agentes policiais Milciades Nazario Ramirez Aguilar, Marcos Antonio Giménez e a advogada Lilian Rocío Calonga Ovelar como responsáveis pela fuga dos criminosos, o que foi negado por eles durante o inquérito.

Thiago Ximenez foi preso em 2014, em Ciudad del Este, pela participação em assalto a um carro-forte. Condenado a 20 anos de prisão em território paraguaio, ele já havia fugido de outro presídio daquele país com outros 12 criminosos.
‘Matrix’ assumiu o comando do PCC na fronteira após a prisão do ex-líder Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, o ‘Minotauro’, no início de fevereiro, em Camboriú, no litoral de Santa Catarina. Se for apanhado com vida, ele será expulso do Paraguai, a exemplo do que aconteceu com outros líderes de facções brasileiras, como Jarvis Chimenez Pavão, do PCC, Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o ‘Piloto’, e Fábio de Souza Santos, o ‘Geleia’, ambos do Comando Vermelho.

Comente essa notícia

Utilize o seu facebook, para comentar