Dando continuidade ao programa “Giro pelo Estado”, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), desembarcou em Uberlândia, na manhã desta sexta-feira (15). Durante pronunciamento, ele falou sobre adotar modelo de gestão aplicado no hospital municipal, além de reforçar necessidade da Reforma da Previdência e revogação do decreto 47.296/17.

Na quinta-feira (14) ele visitou a cidade vizinha, Uberaba, e falou sobre avanços nos primeiros 45 dias de mandato.

O primeiro compromisso de Zema foi durante a manhã no Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneiro. Ele foi conhecer como é feita a parceria de gestão entre o município e a Sociedade Paulista para o Desenvolvimento para a Medicina (SPDM).

Sobre a saúde, falou para a imprensa que deseja levar para outras cidades o modelo de gestão do hospital de Uberlândia.

“É um tipo de processo que queremos aplicar em outros hospitais de Minas e para aqueles regionais que estão inacabados. Além disso, o secretário de estado de Saúde deve vir em breve à Uberlândia e quero criar um conselho consultivo de saúde”, contou

Economia

O governador também falou sobre a questão de repasses de recursos financeiros aos municípios e pagamentos dos servidores. “Queremos que os prefeitos saibam que vão receber seus recursos, que o funcionalismo possa contar com uma data prevista para receber” .

Logo no início do discurso, o governador Romeu Zema enfatizou o crescimento da dívida de Minas Gerais que, segundo ele, “aumenta R$ 1,4 milhão por hora”. Segundo ele, é uma dívida “monstruosa”, mas que pode e deve ser combatida.

Ao se referir aos constantes atrasos nos repasses constitucionais, Zema disse que a forma como os governos anteriores vinham trabalhando era sistemática e totalmente errada. “Não é assim que se faz gestão, com você sendo ineficiente e alguém pagando por isso”.

Sobre as empresas e a geração de empregos em Minas Gerais, Zema lembrou que o único compromisso de campanha foi a criação de 150 mil empregos por ano no Estado. E disse que tem dedicado boa parte do tempo a atender quem quer investir em Minas.

“Mais do que tudo, nós precisamos de emprego. Como empresário, eu conheço muito bem como a geração de empregos pode impactar positivamente em nosso Estado. Então, precisamos atrair. Por isso, estou a disposição da Aciub para atendê-los no que for preciso. Não vou medir esforços para atrair investimento. Vimos que a mineração tem limites e precisamos nos reinventar”.

Comente essa notícia

Utilize o seu facebook, para comentar